Arquivo postado em ‘MY 2º BACKPACKER TRIP’

GIRAMUNDOS ENTREVISTA UMA FAMÍLIA INDÍGENA DE KUNA YALA!

Monday, December 3rd, 2012

Próxima à costa do Panamá no Mar do Caribe, vive uma comarca dos Kuna Yala. Essa comunidade indígena está espalhada pelas Ilhas do Arquipélago de San Blas, um verdadeiro oásis da natureza. Aproveitei minha estádia em San Blas para fazer mais uma entrevista à TV-Giramundos. Depois de muita conversa e insistência, consegui entrevistar uma família de Kuna Yala que vive na Ilha Perro. Conversando com eles descobri algumas curiosidades interessantes que vocês poderão conferir no vídeo abaixo. Até o próximo post!

Vídeo: Giramundos.com

Foto: Giramundos.com

ONDE HOSPEDAR-SE EM SAN BLAS?

Monday, December 3rd, 2012

Há duas opções para dormir nas ilhas de San Blas: U$25,00 é valor da diária de uma barraca de camping com colchão inflável e mais três refeições, café da manhã, almoço e jantar. Nesse mesmo valor pude usar um banheiro bem ecológico revestido com folhas de coqueiro. Para quem busca um pouco mais de conforto, por U$45,00 é a diária de uma cabana com telhado de palha, camas de madeiras com colchões e três refeições. Passar uma noite em San Blas é estar literalmente com o pé na areia, dormir em rede e tomar banho de canequinha. O banheiro da cabana na Ilha Diablo é de madeira e sem teto, já os banheiros da “Ilha Perro” são mais completos, chuveiro, pia e vaso sanitário. Tudo muito rústico, mas o suficiente para suprir as necessidades de um viajante aventureiro. Uma dica importante é tentar economizar o máximo possível de água, pois ela é bem escassa!

 Fotos: Giramundos.com

Vídeos: Giramundos.com

Há duas opções para dormir nas ilhas de San Blas: U$25,00 é valor da diária de uma barraca de camping com colchão inflável e mais três refeições, café da manhã, almoço e jantar. Nesse mesmo valor pude usar um banheiro bem ecológico revestido com folhas de coqueiro. Para quem busca um pouco mais de conforto, por U$45,00 é a diária de uma cabana com telhado de palha, camas de madeiras com colchões e três refeições. Passar uma noite em San Blas é estar literalmente com o pé na areia, dormir em rede e tomar banho de canequinha. O banheiro da cabana na Ilha Diablo é de madeira e sem teto, já os banheiros da “Ilha Perro” são mais completos, chuveiro, pia e vaso sanitário. Tudo muito rústico, mas o suficiente para suprir as necessidades de um viajante aventureiro. Uma dica importante é tentar economizar o máximo possível de água, pois ela é bem escassa!

 Fotos: Giramundos.com

Vídeos: Giramundos.com

Há duas opções para dormir nas ilhas de San Blas: U$25,00 é valor da diária de uma barraca de camping com colchão inflável e mais três refeições, café da manhã, almoço e jantar. Nesse mesmo valor pude usar um banheiro bem ecológico revestido com folhas de coqueiro. Para quem busca um pouco mais de conforto, por U$45,00 é a diária de uma cabana com telhado de palha, camas de madeiras com colchões e três refeições. Passar uma noite em San Blas é estar literalmente com o pé na areia, dormir em rede e tomar banho de canequinha. O banheiro da cabana na Ilha Diablo é de madeira e sem teto, já os banheiros da “Ilha Perro” são mais completos, chuveiro, pia e vaso sanitário. Tudo muito rústico, mas o suficiente para suprir as necessidades de um viajante aventureiro. Uma dica importante é tentar economizar o máximo possível de água, pois ela é bem escassa!

 Fotos: Giramundos.com

Vídeos: Giramundos.com

SAN BLAS – ILHA DIABLO

Sunday, December 2nd, 2012

Caros leitores, não é exagero, mas estou com dificuldades de encontrar adjetivos suficientes para descrever a beleza do arquipélago de San Blas no Panamá.  Na chegada a “Ilha Diablo” fiquei extasiado e de boca aberta com as águas cristalinas, areia branca, coqueiros, sol e todos os tons de azuis que se possa imaginar. San Blas é aquele tipo de lugar que quando você descobre é melhor não contar para muita gente, talvez por medo que o turismo de massa descubra e acabe com tudo. San Blas deve ser incluído na lista dos lugares mais belos do planeta. A temperatura da água é tão agradável que chega a ser morna. Hospedar-se na Ilha Diablo é uma ótima escolha, pois ela está localizada a 50 metros em frente à “Ilha Perro”, ou seja, paga-se para dormir em uma ilha e acaba conhecendo outra mais paradisíaca ainda. Para cruzar de uma ilha a outra é possível ir nadando, fazendo snorkeling ou de canoa. A Ilha Diablo é uma das maiores…

do arquipélago, mas sua faixa de areia é bem estreita. Conversando com um dos integrantes da família que cuidou da minha hospedagem, ele me contou que San Blas conta com mais de 365 pequenas ilhas espalhadas por uma aérea de aproximadamente 3.300 Km², mas somente 36 delas estão habitadas e preservadas sobre o cuidado de um povo indígena chamado “Kuna Yala”. Como não há eletricidade na maioria das ilhas e o único ponto coletivo de luz é captado por uma pequena placa de energia solar, a dica é levar uma boa lanterna com baterias ou pilhas de reserva.  Além das três refeições inclusas, é recomendável levar algumas comidas extras: pães, bolachas, barras energéticas, frutas e água potável. Não se esqueçam de levar snorkel e nadadeiras, pois um dos motivos de visitar esse oásis da natureza é o privilegio de mergulhar em águas cristalinas. Aproveite as fotos e assistam ao vídeo que fiz chegando à Ilha Diablo!

Fotos: Giramundos.com

Vídeo: Giramundos.com

PORTO BARSUGUI!

Sunday, December 2nd, 2012

Depois que deixei o escritório da Lam Tours seguimos em direção ao Porto de Barsugui de onde saem os barcos para as ilhas de San Blas. Para cada ilha do arquipélago há um barco e um comandante. Esse foi o primeiro local que tive contato com a comunidade indígena dos Kuna Yala. Eles são bem reservados, falam pouco e se comunicam entre eles num idioma impossível de compreender. Preste muita atenção onde vai deixar a mochila e as comidas no barco, pois dependendo das manobras do piloto molha tudo que está dentro do bote, inclusive os passageiros hehe. Antes de subir no barco é preciso pagar adiantado ao piloto o valor da ida U$10,00 ou U$15,00.

Fotos: Giramundos.com

A CAMINHO DE SAN BLAS (CONTINUAÇÃO…)

Tuesday, November 27th, 2012

Depois que deixei o escritório da Lam Tours, seguimos em direção ao Porto de Barsugui de onde saem os barcos para as ilhas de San Blas. No meu do caminho fotografei algumas guaritas que estão estrategicamente localizadas para cobrar dos turistas impostos da reserva indígena dos Kuna Yala. Há trechos da estrada que são extremamente perigosos, fiquei de olho no motorista o tempo todo e rezando para que chegássemos com vida. No último posto de controle fiquei preocupado, pois quem nos parou foi um homem vestido de com roupa camuflada portando uma submetralhadora nas e com cara de mafioso. A guia nos contou que dependo da nacionalidade dos turistas, esses impostores cobram mais propina do que os outros. Tive muita sorte de não ter sido extorquido!

Fotos: Giramundos.com

COMO CHEGAR A SAN BLAS?

Monday, November 26th, 2012

Oi amigos e leitores do blog, precisei interromper por alguns dias os posts da minha viagem na América Central, pois surgiram algumas matérias importantíssimas para serem publicadas no blog. De volta à minha “trip” no Panamá, hoje vamos conhecer um paraíso chamado “San Blas”. Quero passar-lhe as dicas de como chegar nesse oásis da natureza, os tramites, valores entre outros. Um dia antes de partir para San Blas é preciso reservar o passeio no hostel onde você estiver hospedado. É necessário pagar antecipadamente U$5,00 dólares por pessoa pela reserva, esse valor será reembolsado no final do tour. A melhor empresa para você contratar os passeios para San Blas é a “Lam Tours”. Uma das proprietárias e guias da empresa é a Judy, uma simpática panamenha responsável de passar às 05h30 nos Hostels pegando os mochileiros que vão a San Blas. A caminho das ilhas Judy faz uma parada de 40 minutos em um escritório da Lam Tours para finalizar os tramites do pagamento. Nesse local é preciso mostrar o…

passaporte, decidir qual das 32 ilhas do arquipélago deseja conhecer e que tipo de alojamento você quer se hospedar. É necessário também pagar U$50,00 dólares pelo transfer de ida e volta até o porto de onde saem os barcos para San Blas. Nesse mesmo local há um supermercado para os mochileiros comprarem água potável, frutas, comidas leves e outros mantimentos que possam ser úteis nas ilhas. São três horas em Jeep 4×4 da cidade do Panamá até “Barsugui”, porto onde saem os barcos. Chegando a Barsugui é preciso pagar uma taxa de U$ 3,00 dólares para entrar na Reserva dos Kuna Yala e mais U$1,00 de imposto. De Barsugui até qualquer uma das ilhas é cobrada uma taxa pelo transporte em lancha de ida e volta U$20,00 por pessoa. Chegando nas ilhas fui recebido por uma família indígena dos Kunas Yala, a qual ficou responsável em preparar meu café da manhã, almoço e jantar. Dicas importantes: leve consigo repelente, protetor solar, lanterna e pilhas de reserva. No próximo post vou falar sobre a Ilha Diablo!

Foto: Giramundos.com – (Essa pulseira contém dados importantes da Lam Tour em caso de emergência)

Foto: Giramundos.com – (Depois das compras partimos rumo à San Blas)

Fotos: Giramundos.com – (Eu e a “Judy”)

Oi amigos e leitores do blog, precisei interromper por alguns dias os posts da minha viagem na América Central, pois surgiram algumas matérias importantíssimas para serem publicadas no blog. De volta à minha “trip” no Panamá, hoje vamos conhecer um paraíso chamado “San Blas”. Quero passar-lhe as dicas de como chegar nesse oásis da natureza, os tramites, valores entre outros. Um dia antes de partir para San Blas é preciso reservar o passeio no hostel onde você estiver hospedado. É necessário pagar antecipadamente U$5,00 dólares por pessoa pela reserva, esse valor será reembolsado no final do tour. A melhor empresa para você contratar os passeios para San Blas é a “Lam Tours”. Uma das proprietárias e guias da empresa é a Judy, uma simpática panamenha responsável de passar às 05h30 nos Hostels pegando os mochileiros que vão a San Blas. A caminho das ilhas Judy faz uma parada de 40 minutos em um escritório da Lam Tours para finalizar os tramites do pagamento. Nesse local é preciso mostrar o…

passaporte, decidir qual das 32 ilhas do arquipélago deseja conhecer e que tipo de alojamento você quer se hospedar. É necessário também pagar U$50,00 dólares pelo transfer de ida e volta até o porto de onde saem os barcos para San Blas. Nesse mesmo local há um supermercado para os mochileiros comprarem água potável, frutas, comidas leves e outros mantimentos que possam ser úteis nas ilhas. São três horas em Jeep 4×4 da cidade do Panamá até “Barsugui”, porto onde saem os barcos. Chegando a Barsugui é preciso pagar uma taxa de U$ 3,00 dólares para entrar na Reserva dos Kuna Yala e mais U$1,00 de imposto. De Barsugui até qualquer uma das ilhas é cobrada uma taxa pelo transporte em lancha de ida e volta U$20,00 por pessoa. Chegando nas ilhas fui recebido por uma família indígena dos Kunas Yala, a qual ficou responsável em preparar meu café da manhã, almoço e jantar. Dicas importantes: leve consigo repelente, protetor solar, lanterna e pilhas de reserva. No próximo post vou falar sobre a Ilha Diablo!

Foto: Giramundos.com – (Essa pulseira contém dados importantes da Lam Tour em caso de emergência)

Foto: Giramundos.com – (Depois das compras partimos rumo à San Blas)

Fotos: Giramundos.com – (Eu e a “Judy”)

Oi amigos e leitores do blog, precisei interromper por alguns dias os posts da minha viagem na América Central, pois surgiram algumas matérias importantíssimas para serem publicadas no blog. De volta à minha “trip” no Panamá, hoje vamos conhecer um paraíso chamado “San Blas”. Quero passar-lhe as dicas de como chegar nesse oásis da natureza, os tramites, valores entre outros. Um dia antes de partir para San Blas é preciso reservar o passeio no hostel onde você estiver hospedado. É necessário pagar antecipadamente U$5,00 dólares por pessoa pela reserva, esse valor será reembolsado no final do tour. A melhor empresa para você contratar os passeios para San Blas é a “Lam Tours”. Uma das proprietárias e guias da empresa é a Judy, uma simpática panamenha responsável de passar às 05h30 nos Hostels pegando os mochileiros que vão a San Blas. A caminho das ilhas Judy faz uma parada de 40 minutos em um escritório da Lam Tours para finalizar os tramites do pagamento. Nesse local é preciso mostrar o…

passaporte, decidir qual das 32 ilhas do arquipélago deseja conhecer e que tipo de alojamento você quer se hospedar. É necessário também pagar U$50,00 dólares pelo transfer de ida e volta até o porto de onde saem os barcos para San Blas. Nesse mesmo local há um supermercado para os mochileiros comprarem água potável, frutas, comidas leves e outros mantimentos que possam ser úteis nas ilhas. São três horas em Jeep 4×4 da cidade do Panamá até “Barsugui”, porto onde saem os barcos. Chegando a Barsugui é preciso pagar uma taxa de U$ 3,00 dólares para entrar na Reserva dos Kuna Yala e mais U$1,00 de imposto. De Barsugui até qualquer uma das ilhas é cobrada uma taxa pelo transporte em lancha de ida e volta U$20,00 por pessoa. Chegando nas ilhas fui recebido por uma família indígena dos Kunas Yala, a qual ficou responsável em preparar meu café da manhã, almoço e jantar. Dicas importantes: leve consigo repelente, protetor solar, lanterna e pilhas de reserva. No próximo post vou falar sobre a Ilha Diablo!

Foto: Giramundos.com – (Essa pulseira contém dados importantes da Lam Tour em caso de emergência)

Foto: Giramundos.com – (Depois das compras partimos rumo à San Blas)

Fotos: Giramundos.com – (Eu e a “Judy”)

CURIOSIDADES DO ESPANHOL ENCONTRADAS NA RUA!

Saturday, November 10th, 2012

Fazer um mochilão é maravilhoso, uma das vantagens é aprender outro idioma com intensidade. No meu caso, percorrer sete países da América Central está servindo para desenferrujar o meu espanhol. Encontrei uma maneira muito legal de ampliar o vocabulário local, pois há palavras e verbos criados apenas no próprio país. Sempre que estou caminhando na rua ou dentro de um carro, tiro foto dos letreiros mais interessantes e anoto num caderninho as palavras mais esquisitas. Quando chego ao albergue, estudo essas novas…

palavras e faço uma colinha para me ajudar. Você pode fazer o mesmo, quando viajar para outro país, não perca a chance de ampliar seu conhecimento linguístico, anote tudo que puder, compre livros, revistas e tire fotos dos letreiros. Falar outros idiomas não é mais uma qualidade, e sim uma obrigação, principalmente para quem tem ambição e deseja crescer profissionalmente num mundo tão globalizado. Despeço-me da cidade do Panamá e sigo viagem rumo ao paraíso chamado San Blas. Não percam o próximo post!!!

 Foto: Giramundos.com – (Nesse mercadinho achei a tabela de preços mais complicada do planeta, hehe)

Foto: Giramundos.com – (A cerveja típica mais vendida do Panamá é a Balboa)