Arquivo postado em ‘Puerto Guijarro’

TREM DA MORTE

Tuesday, November 30th, 2010

Do Brasil existem duas formas para chegar à cidade de La Paz na Bolívia. A primeira é por avião para quem não tem muito tempo de viajar e precisa chegar logo, a segunda é por terra, aventurando-se em uma das rotas preferidas dos mochileiros que viajam pela América do Sul, o lendário “Trem da Morte”. Puerto Guijarro foi à cidade que eu fiz minha primeira parada depois que deixei o Brasil rumo ao meu mochilão. Aqui nada é sofisticado, ruas de terras, pequenos vilarejos, táxis sem os vidros das janelas e um sol escaldante de 40ºC. Além desses ingredientes, a cidade se destaca pelo número elevado de casas de câmbio. Ao trocar qualquer dinheiro aqui, deve se tomar muito cuidado com os cambistas e com notas falsas. O “peso colombiano” é uma das moedas mais desvalorizada da América do Sul, US$1 dólar vale aproximadamente $8 pesos. O preço de um prato…

Fotos: Blog Giramundos – (Marcos Garcia em frente ao Trem da Morte)

feito na hora do almoço, (arroz, salada, carne e suco), custa em média $10 pesos, equivalente há R$2,15 muito barato! Depois de duas noites em solo boliviano, comprei minha passagem do Trem da Morte numa estação mais cheia que maracanã em dia de clássico. Daqui partem os trens que levam até Santa Cruz de la Sierra, maior cidade do país com 1.200 milhões de habitantes. A empresa que vende as passagens para o famoso trem se chama Ferroviária Oriental. O nome dado ao transporte é assustador devido aos lugares onde o trem passa durante o percurso e o que se vê dentro dele. Mesmo assim, minhas curiosidades conseguiram descobrir informações muito interessantes. Conversando com um viajante local, soube que o Trem da Morte fazia transporte de pessoas doentes durante uma grande epidemia de febre amarela que ocorreu na Bolívia há muitos anos atrás. Dizem que a epidemia passou, e o risco de ficar doente também, mas a lenda do Trem da Morte permaneceu e permanecerá para sempre. Existem três…

tipos de trens, o luxuoso que demora 16 horas com direito a serviço de bordo e ar-condicionado. O intermediário com 20 horas de viagem, e o mais barato com duração aproximada de 24 horas sem incluir quase nada, somente o calor infernal de 45ºC e umas trinta paradas realizadas durante o trajeto. Como todas as passagens se esgotam rapidamente, tive que comprar a mais econômica, pois foi à única que me havia sobrado. Para quem precisa comer abordo do trem, por apenas US$1,00 é servido por crianças que entram e saltam com o trem em movimento, um tipo de prato feito, o P.F do Trem da Morte: (arroz, banana e frango a milanesa) tudo regado a muito óleo e sem nenhuma pitada de sal. A bebida é uma limonada quente servida em balde de alumínio com uma concha gigantesca de feijão, e vendida em saquinhos plásticos. Resumidamente, uma comida ruim para saúde, excelente pra fome e aceitável para os olhos. A noite é tomada pela…

preocupação da falta de luz, o trem não possui lâmpadas internas para iluminação. Dicas aos mochileiros, nunca deixam de levar uma lanterna e várias pilhas de reserva, isso pode ser fundamental para sua segurança a bordo. Várias horas a bordo dos trilhos, percebi que não era tão ruim e assustador como parecia. Muitos momentos de desgaste físico e emocional foram recompensados por paisagens deslumbrantes que eu pude apreciar durante meu trajeto. A bordo do trem é possível fazer muitas amizades com o povo local, já que bater papo e jogar conversa fora, se tornaram umas das únicas opções de lazer dentro do lendário Trem da Morte.

Fotos: Blog Giramundos – (Marcos Garcia em frente ao Terminal Ferroviário de Puerto Quijarro)

Fotos: Blog Giramundos – (Pousada Cochabamba, um dos únicos lugares para hospedar-se em Puerto Quijarro)

Fotos: Blog Giramundos – (Marcos Garcia a bordo do Trem da Morte)

Fotos: Blog Giramundos – (O espaço entre uma poltrona e outra é tão pequeno que impossibilita o passageiro de esticar as pernas durante toda a viagem)

Fotos: Blog Giramundos – (Marcos Garcia junto com um grupo de mochileiros australianos a bordo do Trem da Morte)

Fotos: Blog Giramundos – (Yacuses é uma das cidades que o trem para durante o trajeto)

Fotos: Blog Giramundos – (Sem nenhuma infra-estrutura turística, a estação de embarque é ao ar livre, e muitos passageiros embarcam ou saltam com o trem em movimento mesmo, coisa de loucos!!!)

Fotos: Blog Giramundos – (Terminal Ferroviário de Puerto Quijarro)

Fotos: Blog Giramundos – (Terminal Ferroviário de Santa Cruz de la Sierra)

 

Vídeo: Blog Giramundos – (Marcos Garcia entrevista mochileiro australiano a bordo do Trem da Morte)

 

Vídeo: Blog Giramundos – (Marcos Garcia a bordo do Trem da Morte)

Vídeo: Blog Giramundos – (Marcos Garcia entrevista professoras peruanas a bordo do “Trem da Morte” na Bolívia)